Seja bem vinda (o) ao blog da Profª Dra. Regiane Souza Neves

Seja bem vinda (o) ao blog da Profª Dra. Regiane Souza Neves
Neste espaço você encontra artigos sobre Educação, Psicopedagogia, Saúde Mental, Comunicação, Cidadania e Política. Além de fotos, vídeos, mensagens e muito mais. Agradeço sua visita!!!! Profª Dra. Regiane Souza Neves

Agradeço a sua visita. Continue visitando meu blog. Você é o visitante número:

Será que ele é DISLÉXICO?

Dislexia, antes de qualquer definição, é um jeito de ser e de aprender. Reflete a expressão individual de uma mente, muitas vezes até genial, mas que aprende de maneira diferente.

Para a criança é um verdadeiro tormento viver sempre em conflitos interno e externo, por não saber o que esta lhe acontecendo. Por isso, é necessário ter muita cautela na identificação da hipótese de Dislexia, antes de oficializar o diagnóstico.

Dislexia é uma específica dificuldade de aprendizado da LINGUAGEM, seja na leitura, soletração, escrita, linguagem expressiva ou receptiva, razão e cálculos matemáticos, e também, na linguagem corporal e social. 

Não tem como causa falta de interesse, de motivação, de esforço ou de vontade. Também não tem como causa primária problemas de visão ou audição. Dificuldades no aprendizado da leitura, em diferentes graus, é característica evidenciada em cerca de 80% dos disléxicos. Mas, nem todos que tem problemas de aprendizagem tem dislexia.

Quais os direitos dos alunos disléxicos?


Segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, ficou sob a responsabilidade da escola e de toda sua equipe a definição do projeto de educação, de metodologia e de avaliação, desde que seja contínua e cumulativa, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo do período a serem desenvolvidos. Mesmo para os alunos com dislexia a educação deve ser vista como um processo de permanente crescimento do educando, visando seu pleno desenvolvimento, onde conceitos, menções e notas devem ser vistos como meros registros, prontos a serem alterados com a mudança de situação e desenvolvimento.

E, nessa busca do pleno desenvolvimento e do processo do educando, estão presentes outros objetivos de dimensão cognitiva e de natureza sócio-afetiva e psicomotora, que igualmente precisam ser trabalhados e avaliados. Neste caso, recomenda-se um acompanhamento PSICOPEDAGÓGICO. Pois, o psicopedagogo realizará testes e análises referente a modalidade de aprendizagem do disléxico, onde poderá realizar intervenção psicopedagógica adequada e aconselhamento escolar para adaptação da metodologia  didático-pedagógica tanto da sócio-aprendizagem quanto do sistema avaliativo escolar. 

O cuidado deve estar é no uso que se pode fazer desta avaliação escolar, onde deverá ser considerado o pleno desenvolvimento do indivíduo, principalmente em situações de dificuldades de aprendizagem, como é o caso da dislexia, em que o aluno aprende, mas não demonstra pela leitura e pela escrita.  No processo avaliativo, os professores precisam ir muito além de um "olhar" para avaliar, levando em conta que as dificuldades, defasagens e comprometimentos tem inúmeras causas. 

Compreenderem o problema da criança disléxica para que não seja taxada de “preguiçosa”, já é um ponto positivo.  

A dislexia não é impedimento para a aprendizagem. Porém, é muito comum professores que tem alunos disléxicos e não sabem que são disléxicos, dizerem: "eu não entendo, ele sabe tudo, consegue entender questões e abstrai antes de todos os outros na sala… mas quando vai escrever ou ler não consegue", ou ainda, "ele é um ótimo aluno, mas sempre tira notas baixas nas provas".

Em geral, os disléxicos são pessoas criativas e não raro possuem inteligência acima da média. Se possível, a sugestão é realizar sempre avaliações orais ou avaliações continuas durante todo o processo de aprendizagem.


O que é DISLEXIA?

Recentemente, porém, no entrelaçamento de descobertas realizadas por diferentes áreas relacionadas aos campos da Educação e da Saúde, foram surgindo respostas importantes e conclusivas, como:
> que Dislexia tem base neurológica, e que existe uma incidência expressiva de fator genético em suas causas, transmitido por um gene de uma pequena ramificação do cromossomo # 6 que, por ser dominante, torna Dislexia altamente hereditária, o que justifica que se repita nas mesmas famílias;
> que o disléxico tem mais desenvolvida área específica de seu hemisfério cerebral lateral-direito do que leitores normais. Condição que, segundo estudiosos, justificaria seus "dons" como expressão significativa desse potencial, que está relacionado à sensibilidade, artes, atletismo, mecânica, visualização em 3 dimensões  criatividade na solução de problemas e habilidades intuitivas;
> que, embora existindo disléxicos ganhadores de medalha olímpica em esportes, a maioria deles apresenta imaturidade psicomotora ou conflito em sua dominância e colaboração hemisférica cerebral direita-esquerda;
> que, com a conquista científica de uma avaliação mais clara da dinâmica de comando cerebral em Dislexia, pesquisadores da equipe da Dra. Sally Shaywitz, da Yale University, anunciaram, recentemente, uma significativa descoberta neurofisiológica, que justifica ser a falta de consciência fonológica do disléxico, a determinante mais forte da probabilidade de sua falência no aprendizado da leitura;
> que o Dr. Breitmeyer descobriu que há dois mecanismos inter-relacionados no ato de ler: o mecanismo de fixação visual e o mecanismo de transição ocular que, mais tarde, foram estudados pelo Dr. William Lovegrove e seus colaboradores, e demonstraram que crianças disléxicas e não-disléxicas não apresentaram diferença na fixação visual ao ler; mas que os disléxicos, porém, encontraram dificuldades significativas em seu mecanismo de transição no correr dos olhos, em seu ato de mudança de foco de uma sílaba à seguinte, fazendo com que a palavra passasse a ser percebida, visualmente, como se estivesse borrada, com traçado carregado e sobreposto. Sensação que dificultava a discriminação visual das letras que formavam a palavra escrita. Como bem figura uma educadora e especialista alemã, "... É como se as palavras dançassem e pulassem diante dos olhos do disléxico".
A dificuldade de conhecimento e de definição do que é Dislexia, faz com que se tenha criado um mundo tão diversificado de informações, que confunde e desinforma. Além do que a mídia, no Brasil, as poucas vezes em que aborda esse grave problema, somente o faz de maneira parcial, quando não de forma inadequada e, mesmo, fora do contexto global das descobertas atuais da Ciência.
Dislexia é causa ainda ignorada de evasão escolar em nosso país, e uma das causas do chamado "analfabetismo funcional" que, por permanecer envolta no desconhecimento, na desinformação ou na informação imprecisa, não é considerada como desencadeante de insucessos no aprendizado.
Por toda complexidade do que, realmente, é Dislexia; por muita contradição derivada de diferentes focos e ângulos pessoais e profissionais de visão; porque os caminhos de descobertas científicas que trazem respostas sobre essas específicas dificuldades de aprendizado têm sido longos e extremamente laboriosos, necessitando, sempre, de consenso, é imprescindível um olhar humano, lógico e lúcido para o entendimento maior do que é Dislexia.

Fonte de referencia:
www.dislexia.com.br


Cursos e palestras para escolas, associações, sindicatos, ong's e diretorias de ensino

Cursos e palestras para escolas, associações, sindicatos, ong's e diretorias de ensino
clique na foto para acessar o site do CEADEH

Livros de autoria da Profª Dra. Regiane Souza Neves

Livros de autoria da Profª Dra. Regiane Souza Neves
clique na imagem para acessar