Seja bem vinda (o) ao blog da Profª Dra. Regiane Souza Neves

Seja bem vinda (o) ao blog da Profª Dra. Regiane Souza Neves
Neste espaço você encontra artigos sobre Educação, Psicopedagogia, Saúde Mental, Comunicação, Cidadania e Política. Além de fotos, vídeos, mensagens e muito mais. Agradeço sua visita!!!! Profª Dra. Regiane Souza Neves

Agradeço a sua visita. Continue visitando meu blog. Você é o visitante número:

Noções Básicas das Etapas do Desenho Infantil

Para psicopedagogos, professores, mamães e papais.

Principal Referencia: 
Di Leo, J.H. A interpretação do desenho infantil. Porto Alegre. Artes Médicas, 1985.


FASES DO DESENHO
1 a 2 anos
Aparece a primeira garatuja (rabiscos).
2 a 3 anos
Começa adquirir linguagem e formas simbólicas, desenha círculos.
4 a 7 anos
Realismo intelectual, desenha parede transparente (significa egocentrismo, imaginação, fantasia, curiosidade, funciona intuitivamente e não logicamente), pode representar que esta querendo mostrar algo escondido.
7 a 12 anos
Realismo visual, desenha o que vê, figuras humanas mais realistas e convencionais, estágio das operações concretas.
12 anos ou mais
Já pensam criticamente, a maioria das pessoas perdem a vontade de desenhar, este é o estágio das operações formais.

SOBRE O DESENHO:
1. Verificar como a criança usa o espaço da folha;
2. O espaço da folha representa o mundo, é a forma como ele se coloca no mundo;
3. Se desenhar no cantinho da folha representa timidez;
4. Se utilizar a folha toda representa que não tem limites;
5. Se utilizar apenas o lado direito: predominância com a cognição masculina, tendência intelectual de se parecer com o pai – referencias: Bolander, 1977 e Buck, 1974;
6. Se utilizar apenas o lado esquerdo: predominância com a afetividade, tendência emocional de se parecer com a mãe – referencias: Bolander, 1977 e Machover, 1944.

ASPECTOS DO DESENHO:
1. Traço muito forte: indica tensão motora ou tensão interna (nervoso ou ansiedade) imaturidade motora;
2. Traço muito fraco: indica dificuldade de se mostrar, de lidar com situações de evidencia (timidez, insegurança);
3. Uso da borracha: Uso constante: dificuldade de lidar com os próprios erros. Analisar onde foi o uso, exemplo: cabeça significa dificuldade de direcionar o intelecto na figura da pessoa;
4. Uso da régua: pode indicar a necessidade de modelo, parâmetros, indica uma pessoa muito rígida (sem jogo de cintura) tem necessidade de regras, dificuldade de lidar com improvisos;
5. Figuras: se o desenho não distingue quem é pai ou mãe, devemos perguntar ao paciente.
a) Se não desenhar as mãos sugere-se ter dificuldade de entrar em contato com os seus objetivos, no caso da escola, dificuldade de entrar em contato com o objeto de aprendizagem;
b) Cabelo significa força, se a criança desenhar pessoas carecas, ou alguém careca, devemos perguntar se a pessoa não tem cabelo;
c) Árvore: ligação com a mãe;
d) Árvore com umbigo: vínculo muito forte com a mãe, dificuldade de separação; O mesmo pode representar desenhos com botões na blusa (simbiose materna);
e) Árvore com frutinhas coloridas: pode significar sabedoria proibida, medo de conhecer;
f) Árvore com frutinhas vermelhas: pode significar contato de sangue com a mãe, ou membro mais próximo da família;
g) Orelhas grandes: fragilidade intelectual;
h) Desenho sem os pés: dificuldade de buscar objetivos, dúvidas quanto ao futuro;
i) Boca grande: ainda tem forte relação com fase oral, geralmente, crianças que chupam dedo, chupetas etc, ou pessoas que sempre colocam coisas na boca, exemplo, tampas de canetas etc;
j) Traços leves e quebrados: pessoa insegura ou deprimida;
k) Traço normal: pessoa segura e autoconfiante;
l) Traço sombreado: sugere ansiedade;
m) O desenho da figura humana serve para detectar o nível cognitivo do paciente no consultório psicopedagógico, também demonstra desenvolvimento afetivo, emocional, psicomotor:
1. Membros do corpo separados: sugere desordem comportamental;
2. Casa: afeto, refugio, pode representar o útero da mãe para crianças com atraso no desenvolvimento cerebral;
3. Casa com chaminé saindo fumaça: é expressão de calor e afeto;
4. Desenho da figura humana reduzido: pessoas inseguras e deprimidas, se houver separação espacial nas figuras representa insegurança e baixa autoestima no ambiente familiar;
5. Balões, pipas, mangueiras, nuvens, Sol, Lua, pássaros, borboletas: remetem a fase fálica relacionada ao Édipo – problemas na fase de castração;
6. Desenhos da família:
Se separar uma pessoa da outra, sugere falta de comunicação e sentimento de isolamento e pode ser também, quando coloca a criança separada dos pais por algum objeto;
Mãe cozinhando é sinal de amor e calor;
Pai vendo TV, fumando comendo sozinho, lendo jornal, sugere afastamento das atividades e interesses familiares;
O que desenhar maior, pai ou mãe, sugere que a relação seja maior com este progenitor e também, que este progenitor é o líder em casa;
Mãe ou pai ausente, se a criança desenhar esta figura, significa que a criança tem um vínculo, mesmo estando distante;
Se desenhar harmonia familiar, mesmo estando passando por problemas de separação etc, pode significar vontade de ter uma família “perfeita”, a família que deseja;
Se vive com mãe ou pai e não o desenhar, significa ressentimento com a pessoa;
Partes do corpo:
1. Grandes cabeças desenhadas por crianças em idade escolar pode sugerir dislexia;
2. Olho: pessoas que desenham olhos muito grandes, são desconfiadas;
3. Braços e mãos: mãos e dedos estabelecem comunicação e contato direto. Ausência de braços e mãos, sugerem dificuldade de contato com o objeto, dificuldade de confiar nos outros e também, passividade.
4. Desenho de botões, bolinhas em roupas, cintos com fivelas: podem significar dependência materna – referencia: Machover, 1944.

TODO DESENHO DEVE TER UMA HISTÓRIA (no atendimento psicopedagógico)

Assim que a criança terminar seu desenho, pergunte a ela o que ela desenhou, qual a história do desenho e quem são as pessoas. O terapeuta deverá escrever a história do paciente, do mesmo jeito que for contada (isso no caso do atendimento psicopedagógico).
Tipos de Histórias:
1) Enredo contextualizado: tem que ter começo, meio e fim. Combinar com o desenho. Crianças hipoassimilativas terão uma ação empobrecida;
2) Enredo descritivo: o paciente não vai contar uma história, apenas descrever o que desenhou, exemplo: a mãe, o pai, o filho jogando bola. Sugere déficit lúdico e criativo, também esta relacionado a hipoassimilação, mas também pode sugerir hiperacomodação que é a pobreza de contato com sua subjetividade;
3) Enredo descontextualizado: sugere desrealização do pensamento, pode estar relacionado com a hiperassimilação, o paciente conta um tipo de história que não condiz com o desenho, geralmente uma história bagunçada.

No atendimento psicopedagógico utilizamos o desenho, ou seja, o teste projetivo para analisar o paciente, naquilo que ele não verbaliza. Porém, não é a única ferramente de analise. Por isso, os resultados não devem ser obtios apenas com a análise do desenho, o diagnóstico implica em um conjunto de outros testes.

Por: Dra. Regiane Souza Neves


Cursos e palestras para escolas, associações, sindicatos, ong's e diretorias de ensino

Cursos e palestras para escolas, associações, sindicatos, ong's e diretorias de ensino
clique na foto para acessar o site do CEADEH

Livros de autoria da Profª Dra. Regiane Souza Neves

Livros de autoria da Profª Dra. Regiane Souza Neves
clique na imagem para acessar