Quantidade de pessoas que seguem este blog:

Seja um seguidor deste blog (preencha com seu e-mail)

As dificuldades de aprendizagem e o encaminhamento ao Psicopedagogo


Eis que chega aquele momento em que não há nada mais frustrante para o professor e angustiante para os pais do que se defrontar com a situação de algumas crianças que não aprendem a ler, a escrever, a calcular e realizar demais atividades no mesmo ritmo que outras. 

Normalmente, as crianças ou adolescentes são encaminhadas ao psicopedagogo quando apresentam dificuldades de aprendizagem. O atendimento psicopedagógico é importante por ser o primeiro encaminhamento que deverá ser feito pela escola, pois através dele haverá um diagnóstico e se houver necessidade o psicopedagogo realizará o tratamento adequado ou encaminhamento aos demais profissionais da área da saúde ou educação.

O trabalho psicopedagógico com crianças e adolescentes em idade escolar desenvolve potencialidades e aperfeiçoa as habilidades e aprendizagens.  Inicialmente, é realizada a avaliação psicopedagógica, necessária para o psicopedagogo detectar os problemas de aprendizagem apresentados pelo paciente, bem como identificar suas causas, considerando os múltiplos fatores envolvidos no processo de aprendizagem. 

Durante a análise são utilizados procedimentos e testes projetivos, cognitivos, psicomotores, linguísticos entre outros. Além da anamnese que é realizada com os pais, também pode ser possível uma visita à escola. Após o período que chamamos de "diagnóstico psicopedagógico" elabora-se, então, o laudo psicopedagógico em duas vias, sendo uma para a escola e outra para os pais. Se confirmada a hipótese de dificuldade ou transtorno de aprendizagem, um plano de trabalho para tratamento psicopedagógico é elaborado e discutido com os pais. A partir daí se dá início ao que chamamos de "intervenção psicopedagógica". 

A evolução do paciente, bem como o tempo de tratamento, depende da causa e do tipo de problema diagnosticado no processo de avaliação. Seja qual for o caso, a intervenção psicopedagógica clínica visa à reabilitação do paciente, de modo que ele atinja o mais alto nível funcional possível, fazendo uso de suas potencialidades para minimizar o impacto de suas dificuldades e, desta forma, melhorar seu desempenho escolar, saindo de um estado patológico para um estado saudável de aprendizagem. 

Para os adolescentes ou jovens, o trabalho psicopedagógico pode ir além do atendimento em suas dificuldades de aprendizagem, sendo também muito significativo em orientação vocacional, pois ajuda na construção de autoconhecimento, a busca da identidade ocupacional e o projeto de vida. A orientação nesta etapa da vida pode ser muito importante, uma vez que muitos dos atendidos não têm objetivos pré-definidos, podendo desviar-se de planos e projetos para o futuro.

Enfim, espero ter colaborado com algumas de suas dúvidas. Se você se interessou sobre o assunto ou quer entender melhor as dificuldades do seu filho ou aluno, entre em contato e agende uma sessão de orientação. Para profissionais da psicopedagogia que necessitam de auxilio para diagnóstico e intervenção adequada, realizo supervisão nos seus atendimentos. 

Você pode usar esse texto em seu trabalho acadêmico de graduação ou pós-graduação, desde que utilize a seguinte referência, pois o mesmo possui direitos autorais:  
SOUZA NEVES, Regiane. Desenvolvimento educacional: um olhar psicopedagógico para os problemas de aprendizagem.  Clube de Autores. 2ª edição. São Paulo, 2017


Prof. Dra. Regiane Souza Neves - Atua há 26 anos na área da educação onde foi professora, coordenadora pedagógica e diretora, sendo que nesta última função permaneceu por 15 anos como diretora na educação básica e está há 7 anos como diretora do CEADEH Centro de Estudos Avançados em Desenvolvimento Educacional e Humano (escola de formação continuada para educadores). Também atua há 11 anos em clínica como neuropsicopedagoga, neuropsicologa, psicopedagoga, psicomotricista e psicanalista, onde realiza diagnósticos para transtornos do neurodesenvolvimento como TEA, TDAH, TOD entre outros. Há 20 anos atua em estudos e desenvolvimento de políticas públicas.