Agradecemos por seguir este blog. Você é o seguidor de número:

Família e Aprendizagem


Segundo a antropologia, existem 3 tipos básicos de família: tradicional, nuclear e pós-moderna.

A família tradicional é aquela geralmente numerosa, centrada na autoridade do patriarca, mais comum até a primeira metade do século passado (sec XX). Eram considerados "familiares" não só os pais e filhos, mas todo o entorno familiar (avós, tios, primos, etc), e as relações eram baseadas nos conceitos morais e autoritários da época.

A família nuclear, ou psicológica, é aquela surgida a partir da metade do século XX, fundamentada basicamente em pai, mãe e poucos filhos. As relações não são mais tão autoritárias, e o conceito de família engloba um núcleo mais caseiro.

A família pós-moderna é a que surgiu mais atualmente, aquela em que não existem regras básicas de parentesco. Filhos morando com só um dos pais (devido ao divórcio), casais sem filhos, uniões homossexuais, etc. Para alguns, não é um estilo de família, mas justamente a falta de um "estilo" pré-determinado.

Hoje em dia, podemos identificar esse três tipos básicos de família coexistindo, com suas variações... Cada família a seu modo. As transformações do conceito família trouxeram maior liberdade e igualdade entre os membros, fundamentado nos princípios da dignidade humana, que consiste na segurança dos direitos personalíssimos de cada membro da família, bem como de suas necessidades materiais.

Permitiram uma evolução como instituição social nas relações familiares na busca do atendimento aos interesses mais valiosos das pessoas humanas, como a lealdade, afeto, confiança, respeito, solidariedade e amor.

As relações e sentimentos independem de termos e conceitos, não importa se é família monoparental, homoparental, ou outro termo que seja. A família segue novos aspectos obedecendo aos princípios da afetividade e estabilidade. Reconhecer a família formada pela união estável somente entre homem e mulher ou da união homoafetiva não dificulta a proteção da relação como entidade familiar.

A família homoparental se auto designa homossexual, é o pai ou mãe de, no mínimo, uma criança de acordo com a associação APGL. Para essa associação, quanto à homossexualidade dos pais/mães e cuidados com os filhos, ainda há preconceitos, visto que homens e mulheres homossexuais podem ser ou não bons pais/mães, da mesma forma que homens e mulheres heterossexuais. O que esta em questão neste texto não é a orientação sexual ou tipo de estrutura familiar, mas sim, os laços existentes entre os indivíduos, a construção do caráter e as relações de afeto que constituem a família, para que a criança possa aprender e dignamente ser inserida na sociedade.

Para Winnicott (1965), o desenvolvimento da criança dependerá de um ambiente facilitador que forneça cuidados suficientemente bons, sendo que, no início, esse ambiente é representado pela mãe. Esses cuidados dependem da necessidade de cada criança, pois cada ser humano responderá ao ambiente de forma própria, apresentando, a cada momento, condições, potencialidades e dificuldades diferentes.

Se amadurecer significa alcançar o desenvolvimento do que é potencialmente intrínseco, possíveis dificuldades da mãe em olhar para o filho como diferente dela, com capacidade de alcançar certa autonomia, podem tornar o ambiente não suficientemente bom para aquela criança amadurecer. Não basta, apenas, que a mãe olhe para o seu filho com o intuito de realizar atividades mecânicas que supram as necessidades dele, é necessário que ela perceba como fazer para satisfazê-lo e possa reconhecê-lo em suas particularidades. 

A capacidade da mãe em se identificar com seu filho é a base para o que gradativamente se transforma em um ser que experimenta a si mesmo.  Winnicott também coloca que a mãe, ao tocar seu bebê, manipulá-lo, aconchegá-lo, falar com ele, acaba promovendo um arranjo entre soma (o organismo considerado fisicamente) e psique, principalmente ao olhá-lo, ela se oferece como espelho no qual o bebê pode se ver. 

O “estado de preocupação materna primária” implica em uma regressão parcial por parte da mãe, a fim de identificar-se com o bebê e, assim, saber do que ele precisa, mas, ao mesmo tempo, ela mantém o seu lugar de adulta. É, ainda, um estado temporário, pois o bebé naturalmente passará da “dependência absoluta” para a “dependência relativa”, o que é essencial para o seu amadurecimento.

É nesse período de dependência relativa que o bebê vive estados de integração e desintegração, forma conceitos de eu e não-eu, mundo externo e interno, estágio de concernimento, podendo então seguir em seu amadurecimento, no que o autor denomina independência relativa ou rumo à independência. Aqui, o bebê desenvolve meios para poder prescindir do cuidado maternal. Isto é conseguido mediante a acumulação de memórias de maternagem, da projeção de necessidades pessoais e da introjeção dos detalhes do cuidado maternal, com o desenvolvimento da confiança no ambiente.

A existência da família no desenvolvimento da criança, resulta em contribuições nos relacionamentos no quadro do contexto social em que vivem. Se a criança nascer em um ambiente harmonioso e que a deseja, esta terá uma base sólida em virtudes no decorrer de sua vida. Mas, se por outro lado, esta criança nascer em um lar onde os pais, não se entendem e não a planejaram, a mesma crescerá com transtornos emocionais. Muitas vezes o casal não possui maturidade e preparo suficientes para enfrentar tal situação, que poderá causar sérias consequências, como levar o casal a uma separação, ter maturidade não significa ter idade suficiente para enfrentar certas situações. Sendo que em uma união de pessoas jovens, muitas vezes poderá apresentar um resultado positivo, esta união terá um longo processo de crescimento juntamente com os seus filhos, certamente, tanto os filhos aprenderão com os pais como os pais aprenderão com os filhos.

No entanto, nas relações em que os pais não são jovens algumas coisas podem ter ficado sem resolver e é com o crescimento dos filhos que conseguem resolver seus conflitos, de acordo com que seus filhos vão trazendo novos conhecimentos vão se preenchendo. Muitas vezes, acabam se realizando em coisas que seus filhos fazem e que preenchem lacunas no decorrer de suas vidas. 

Para usar como referência: 
SOUZA NEVES, Regiane. Desenvolvimento educacional: um olhar psicopedagógico para os problemas de aprendizagem.  Souza & Neves Edições. 2ª edição. São Paulo, 2017


Dra. Regiane Souza Neves - Tenho 42 anos, estou casada com o Jornalista Marcelo Neves há 20 anos, mãe de Bruno 18 anos e Allan 17 anos. Sou doutora e mestra em psicanálise, psicopedagoga e neuropsicopedagoga, especialista em educação, inclusão, legislação educacional, saúde mental e ciências políticas. Técnica em magistério público e comunicação social. Atuo há 25 anos na área da educação onde fui auxiliar de sala, professora, coordenadora e diretora, sendo que nesta última função permaneci por 19 anos. Também atuo há 10 anos na área de psicoterapia e análise comportamental e institucional. Estou devidamente cadastrada no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para atuar como Perita Judicial e Extrajudicial, nas minhas áreas de conhecimento técnico-científico. Atualmente, coordeno e ministro aulas em programas de pós-graduação e, além de atender clinicamente como psicopedagoga, psicanalista e orientadora vocacional, também realizo consultoria educacional para várias instituições. Tenho 11 livros publicados com 56 selos de recomendações de importantes instituições. Realizo palestras, treinamentos, cursos, workshops, seminários, colóquios, conferências, mesas redondas e congressos. Desde 2013, sou mantenedora e diretora do CEADEH Centro de Estudos Avançados em Desenvolvimento Educacional e Humano. Fui presidente nacional da ABRAPEE Associação Brasileira de Profissionais e Especialistas em Educação, no período de 2013 à 2018. Dedico-me a causas sociais e me tornei Embaixadora no Brasil de uma campanha mundial, durante o período de 2015 à 2018. Desde 1998, trabalho com empoderamento feminino através de ações afirmativas, fomento de políticas públicas e formação política para mulheres, sou Cofundadora e Coordenadora Geral do Movimento Mulher Conquista Osasco. Durante o período de 2012 à 2018, fui membro do Fórum Nacional de Políticas Públicas para Mulheres e, membro do Fórum Nacional de Mulheres de Partidos Políticos da Presidência da República. Recebi 25 prêmios e homenagens nacionais e internacionais.


Clique na imagem e conheça a Plataforma CEADEH