Quantidade de pessoas que seguem este blog:

Seja um seguidor deste blog (preencha com seu e-mail)

A efetiva participação política das mulheres

Este texto faz parte do livro da Dra. Regiane Souza Neves - Representatividade Feminina na Política: Conhecer para Transformar. 



A IV Conferência Mundial sobre a Mulher: Igualdade, Desenvolvimento e Paz (foi um encontro organizado pelas Nações Unidas entre 4 de setembro e 15 de setembro de 1995 em Pequim, China), apontou a exclusão das mulheres dos espaços de poder e a necessidade de promoção da participação política das mulheres, mediante ações afirmativas. Nesse sentido, muitos países passaram a adotar cotas na política como um tipo de ação afirmativa.

A adoção do sistema de cotas por sexo na política é fundamental porque: estimula debates e favorece a conscientização a respeito da representação feminina; e abre efetivamente oportunidades de participação para as mulheres.

Mesmo considerando o reduzido tempo de implantação dessa medida no Brasil, que não chega sequer a uma década, evidencia-se, cada vez mais fortemente, a necessidade de adoção de um conjunto de ações que possam acelerar a promoção da participação e da representação política das mulheres.

Visando ampliar a participação das mulheres no âmbito da Reforma Política foram criados Comitês Multipartidários de Mulheres em vários Estados. Foi lançado o slogan “Lugar de Mulher é na Política” como uma forma radical de desconstruir as ideias discriminatórias sobre a inserção social das mulheres. 

Diretrizes propostas em ações afirmativas:

1. Promover uma mudança cultural, de valores e mentalidades, superando preconceitos e valorizando a contribuição política das mulheres;

2. Programar medidas que possam liberar as mulheres dos cuidados com a casa, com as crianças, com as pessoas idosas e com necessidades especiais – cuidados que precisam ser divididos com o Estado e com as pessoas adultas que coabitam;

3. Promover a democratização dos partidos políticos e a inclusão de mulheres, afrodescendentes e jovens na estrutura partidária;

4. Desencadear um amplo debate acerca da Reforma Política. Quatro propostas merecem nossa grande atenção:
  • Financiamento Público de campanhas eleitorais (aponta para a democratização da política representativa, favorecendo a participação de segmentos excluídos e enfraquecendo a influência de grupos econômicos);
  • A lista preordenada das candidaturas, apresentada pelos partidos nas eleições proporcionais (fortalece as instituições partidárias e enfraquece as práticas personalistas e clientelistas);
  • A adoção de medidas afirmativas (promovem a inclusão das mulheres), com a obrigatoriedade de reserva de tempo de propaganda eleitoral gratuita e de recursos do fundo partidário para a promoção da participação política das mulheres. Estas duas medidas significam a regulamentação da utilização de recursos públicos e não devem ser compreendidas como interferência na autonomia partidária;
  • A previsão de cotas por sexo para a composição das listas preparadas pelos partidos prevalece no projeto de Reforma Política, mas, na lista aberta o sistema de cotas só é eficaz caso seja garantido o lugar das mulheres na composição da lista. Nesse sentido, duas experiências são relevantes: o sistema de cotas na Argentina, adotado em 1991, prevendo que a lista fechada de candidatos para as eleições na Câmara dos Deputados deve ser composta atendendo ao critério de não haver mais que duas pessoas consecutivas do mesmo sexo; e o sistema de paridade, adotado nas eleições municipais de 2001, na França, prevendo a montagem da lista fechada a partir da alternância equitativa de lugares entre homens e mulheres.

5. Expandir o sistema de cotas por sexo para a composição dos altos escalões do Executivo e do Judiciário;

6. As cotas (mínimo de 30 e máximo de 70) podem ser consideradas como um caminho para a meta maior, de construção da paridade no poder, meio a meio entre mulheres e homens.

É importante destacar que tão importante quanto a luta pela presença das mulheres na política é a luta pela afirmação das plataformas e demandas femininas no âmbito do Estado, da sociedade e dos partidos políticos. 

As plataformas sobre igualdade de gênero e empoderamento das mulheres vêm sendo cada vez mais acolhidas, evidenciando-se o seu caráter propositivo e de expressiva contribuição para a construção de uma sociedade democrática, justa e fraterna.

Para usar este texto coloque a referencia: 
SOUZA NEVES, Regiane. Representatividade Feminina na Política: Conhecer para Transformar. Clube de Autores. 1ª edição. São Paulo, 2018