O olhar sistêmico da psicopedagogia


O trabalho psicopedagógico se propõe a humanizar a realidade apresentada pela queixa e as situações de fracasso escolar tanto pela dificuldade de aprendizagem quanto pelo problema de comportamento. Principalmente dando voz à criança/adolescente, potencializando suas habilidades de forma positiva, traçando metas, estabelecendo regras e limites, buscando através do processo de análise/intervenção uma compreensão de como ela/ele atua em seu singular percurso de aprendizagem, sua forma de interagir nos ambientes familiar e escolar. Reorganizando mentalmente seus elementos subjetivos, afetivos, orgânicos, emocionais e psíquicos.

A Psicopedagogia com um olhar sistêmico retira da criança/adolescente a total responsabilidade da sua dificuldade e do seu problema de comportamento redistribuindo o foco para todos que fazem parte de uma rede, de um sistema em que estão inseridos família, escola e contexto social.

O psicopedagogo vai olhar para a escola como um sistema, em que todos se influenciam mutuamente. Também olhará para a família que é a principal rede de influência a ser investigada no processo de intervenção psicopedagógica. Sendo assim, escola e família serão orientadas de como agir nas dificuldades. Inicialmente, ambas receberão orientações simples, para com o decorrer do processo de intervenção ser possível estabelecer orientações mais complexas para a devida reorganização destes sistemas.

Um dos objetivos da abordagem sistêmica é a busca de equilíbrio entre as redes envolvidas (escola, família, igreja, comunidade etc) buscando integração de um sistema composto de várias unidades que compõe o ambiente onde a criança/adolescente está inserida/inserido e que naturalmente exercem influência na construção das dificuldades de aprendizagem e dos problemas de comportamento.

Lembrando sempre, que muitas vezes um comportamento negativo da criança/adolescente está voltado à algum sentimento reprimido, aquele sentimento que é difícil de expressar ou inclusive, pode fazer parte de um conjunto de diversos sentimentos que ela/ele mesmo não consegue entender, tais como: insegurança, medo do futuro, baixa autoestima, ansiedade, rejeição ou exclusão social do grupo de colegas entre outros. 

Enfim, espero ter colaborado com algumas de suas dúvidas. Se você se interessou sobre o assunto ou quer entender melhor as dificuldades do seu filho ou aluno, entre em contato e agende uma sessão de orientação. Para profissionais da psicopedagogia que necessitam de auxilio para diagnóstico e intervenção adequada, realizo supervisão nos seus atendimentos. 

Você pode usar esse texto em seu trabalho acadêmico de graduação ou pós-graduação, desde que utilize a seguinte referência, pois o mesmo possui direitos autorais:  
SOUZA NEVES, Regiane. Desenvolvimento educacional: um olhar psicopedagógico para os problemas de aprendizagem.  Clube de Autores. 2ª edição. São Paulo, 2017

Agende uma consulta com a Dra. Regiane pelo Whatsapp 11 93215-1900. Consultórios em Osasco, São Paulo e Alphaville.

Consultas à partir de: R$ 100,00 para crianças e adolescentes / R$ 120,00 para adultos. Supervisão para profissionais à partir de: R$ 150,00.


Dra. Regiane Souza Neves - Tem 42 anos, é casada com o Jornalista Marcelo Neves há 20 anos, mãe de Bruno 18 anos e Allan 17 anos. É doutora e mestra em psicanálise; psicopedagoga e neuropsicopedagoga; psicomotricista; neuropsicóloga; orientadora vocacional; especialista em educação, inclusão, legislação educacional, saúde mental e políticas públicas. Técnica em magistério público e comunicação social. Atua há 25 anos na área da educação onde foi auxiliar de sala, professora, coordenadora e diretora, sendo que nesta última função permaneceu por 19 anos. Também atua há 10 anos na área de psicoterapia e análise comportamental e institucional. Está devidamente cadastrada no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para atuar como Perita Judicial e Extrajudicial, nas suas áreas de conhecimento técnico-científico. Atualmente, coordena e ministra aulas em programas de pós-graduação e, além de atender clinicamente, também realiza consultoria educacional para várias instituições de ensino e órgãos públicos. Tem 11 livros publicados com 56 selos de recomendações de importantes instituições. Realiza palestras, treinamentos, cursos, workshops, seminários, colóquios, conferências, mesas redondas e congressos. Desde 2013, é mantenedora e diretora do CEADEH Centro de Estudos Avançados em Desenvolvimento Educacional e Humano. Foi presidente nacional da ABRAPEE Associação Brasileira de Profissionais e Especialistas em Educação, no período de 2013 à 2018. Dedica-se a causas sociais e se tornou Embaixadora no Brasil de uma campanha mundial, durante o período de 2015 à 2018. Recebeu 27 prêmios e homenagens nacionais e internacionais.